Uma maneira surpreendente de usar um smartphone fortalece seu cérebro

A tecnologia digital é onipresente. Temos dependido cada vez mais de smartphones, tablets e computadores nos últimos 20 anos, e essa tendência tem se acelerado devido à pandemia.



A sabedoria convencional nos diz que o excesso de confiança na tecnologia pode prejudicar nossa capacidade de lembrar, prestar atenção e exercer autocontrole. Na verdade, essas são habilidades cognitivas importantes. No entanto, os temores de que a tecnologia suplantaria a cognição podem não ser bem fundamentados.

Como a tecnologia altera a sociedade

Sócrates, considerado por muitos como o pai da filosofia , estava profundamente preocupado com a forma como a tecnologia da escrita afetaria a sociedade. Uma vez que a tradição oral de fazer discursos requer um certo grau de memorização, ele estava preocupado com a possibilidade de escrever eliminaria a necessidade de aprender e memorizar.



Platão escreveu a famosa , citando Sócrates:

Se os homens aprenderem isso, isso implantará o esquecimento em suas almas; deixarão de exercer a memória porque se apóiam no que está escrito, chamando as coisas à lembrança não mais por dentro, mas por meio de marcas externas.



Essa passagem é interessante por duas razões. Primeiramente, mostra que houve uma discussão intergeracional sobre o impacto das novas tecnologias nas habilidades cognitivas das gerações futuras. Isso ainda é verdade até hoje: o telefone , rádio e televisão todos foram aclamados como arautos do fim da cognição.

Isso nos leva à segunda razão pela qual esta citação é interessante. Apesar das preocupações de Sócrates, muitos de nós ainda somos capazes de guardar informações na memória quando necessário. A tecnologia simplesmente reduziu a necessidade de certas funções cognitivas, não nossa capacidade de executá-las.

A tecnologia pode nos liberar para assumir mais tarefas.

A tecnologia digital cria w ousening cognição ?



além do mais reivindicações da mídia popular , algumas descobertas científicas foram interpretadas como sugerindo que a tecnologia digital pode levar a memória fraca , atenção , ou funcionamento executivo .

Após o escrutínio dessas afirmações, no entanto, percebe-se duas importantes suposições argumentativas:

  1. A primeira suposição é que o impacto tem um efeito duradouro nas habilidades cognitivas de longo prazo
  2. A segunda suposição é que a tecnologia digital tem um impacto direto e não moderado na cognição

Ambas as suposições, no entanto, não são apoiadas diretamente por resultados empíricos.

onde estão os patos de borracha em fortnite



Um exame crítico das evidências sugere que os efeitos demonstrados foram temporários, não de longo prazo.

Por exemplo, em um estudo proeminente investigando a dependência das pessoas em formas externas de memória, os participantes eram menos propensos a se lembrar de informações quando lhes era dito que essas informações seriam salvas em um computador e eles teriam acesso a elas. Por outro lado, lembravam-se melhor das informações quando lhes era dito que não seriam salvas.

Há uma tentação de concluir a partir dessas descobertas que o uso de tecnologia leva a uma memória mais fraca - uma conclusão que os autores do estudo não tiraram. Quando a tecnologia estava disponível, as pessoas confiavam nela, mas quando ela não estava disponível, as pessoas ainda eram perfeitamente capazes de lembrar. Sendo assim, seria precipitado concluir que a tecnologia prejudica nossa capacidade de lembrar.

Além disso, o efeito da tecnologia digital na cognição pode ser devido ao quão motivado alguém está, ao invés de seus processos cognitivos. De fato, processos cognitivos operam no contexto de objetivos para os quais nossas motivações podem variar.

Especificamente, quanto mais motivadora for uma tarefa, mais engajados e focados estaremos. Essa perspectiva reformula as evidências experimentais que mostram que os smartphones prejudicam o desempenho em tarefas de atenção sustentada, memória de trabalho ou inteligência fluida funcional.

Fatores motivacionais provavelmente desempenham um papel nos resultados da pesquisa, especialmente considerando que os participantes da pesquisa muitas vezes consideram as tarefas que são solicitadas a fazer no estudo como irrelevantes ou enfadonhas.

O que significa usar um smartphone para a função cognitiva?

Porque existem muitas tarefas importantes que realizamos usando a tecnologia digital, como manter contato com entes queridos, responder a e-mails e desfrutar de entretenimento, é possível que a tecnologia digital comprometa o valor motivacional de uma tarefa experimental.

quando vai ser lançado o Smash ultimate 3.0

É importante ressaltar que isso significa que a tecnologia digital não prejudica a cognição; se uma tarefa for importante ou envolvente, os smartphones não prejudicariam a capacidade das pessoas de realizá-la.

Como a tecnologia muda a cognição

Para fazer uso da tecnologia digital, os processos cognitivos internos estão menos focados no armazenamento e computação de informações. Em vez disso, esses processos convertem informações em formatos que podem ser descarregados em dispositivos digitais - como frases de pesquisa - e depois recarregados e interpretados.

Este tipo de descarga cognitiva é como quando as pessoas tomam notas no papel em vez de comprometer certas informações na memória de longo prazo, ou quando as crianças usam as mãos para ajudar na contagem.

A principal diferença é que a tecnologia digital nos ajuda a descarregar conjuntos complexos de informações com mais eficácia e eficiência do que as ferramentas analógicas, e isso sem sacrificar a precisão.

Um benefício significativo é que a capacidade cognitiva interna, que é liberada de ter que executar funções especializadas, como lembrar um compromisso do calendário, é liberada para outras tarefas. Isso, por sua vez, significa que podemos realizar mais, cognitivamente falando, do que jamais poderíamos antes.

Como tal, a tecnologia digital não precisa ser vista como competindo com nosso processo cognitivo interno. Em vez disso, complementa a cognição, estendendo nossa capacidade de fazer as coisas.